31 da Sarrafada Guerrilha Electrónica
20
Fev 10
publicado por 31 da Sarrafada, às 02:34link do post | comentar

Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

Na sequência do post do JNR, amigo que estimo há muito, eu abandonarei o projecto regra do jogo

Vêmo-nos por aí.

Partilhar


 


 


 


publicado por Carlos Santos às 22:57

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (5)

Julgando estar esgotada a possibilidade de participar num projecto colectivo de think tank digital, independente, de esquerda democrática, cesso as minhas colaborações.

 

tags: cessação de colaboração

Partilhar

 

 

 

publicado por JNR às 22:24

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (2)

Video Golos FC Porto 2 - Arsenal 1; Bayern de Munique 2 - Fiorentina1 Liga dos Campeões

FC Porto e Arsenal jogaram hoje no Estádio do Dragão, nos oitavos de final da Champions. Ao mesmo tempo que a Fiorentina ia a Munique.Resultados incertos em ambos os casos., com vitórias das equipas domésticas por 2-1. Se no Porto, o golo sofrido em casa complica as contas para a viagem a Londres, a verdade é que é uma vitória é isso mesmo, e por isso a equipa portuguesa tem de ser considerada favorita. O Bayern fez um  resultado idêntico. A Fiorentina marcou um golo fora e mas não conseguiu segura um empate difícil. Ainda assim, há que ter em conta a diferença de valor das equipas, e isso funciona tanto contra o FC Porto como a favor do Bayern de Munique

 

Ver golos Champions League )

tags: arsenal, bayern de munique fiorentina, champions league, fc porto, futebol, golos, video

Partilhar

 

 

 

publicado por Carlos Santos às 21:48

link do post | entrar no jogo

Mário Crespo escuta (?) o PS está em luta!!!

 
 
 

tags: 25 de abril sempre, snobs nunca mais

Partilhar

 

 

 

publicado por José Manuel Azevedo Assis às 21:23

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (1)

Os sinais de fumo de Crespo, duas páginas no CM e uma mão cheia de nada.

Uma mão cheia de nada foi o que resultou da audição de Mário Crespo na Comissão Parlamentar de Ética. Um conjunto de desabafos, de percepções que têm na base o facto da sua última crónica não ter sido públicada no JN. Está triste. Eu também. Hoje o administrador do meu condomínio disse-me: vizinho ou paga o condomínio ou tenho de tomar medidas. Pois as despesas quotidianas têm de ser pagas e eu , face a tantas até me estava a esquecer.. Meu Caro Crespo noto que não disse que foi o governo que disse ao JN para lhe dizer a si que não públicava a sua crónica. Noto também que quando não se fazem as vontades ao Mário, o senhor fica  zangado e fala em Inglês e mostra as prendas que lhe enviam, sejam umas camisolas ou outra coisa e que também gosta dos holofotes do Parlamento distribuindo fotocópias em mão. One Man Show. Mário , permita-me que  o trate assim, pois a mim pode tratar-me por José, se quiser tratar comigo é claro, a vida é dura e às vezes temos dificuldades. Sócrates no dia em que falou no restaurante do Tivoli estava com stress pré debate orçamental, nunca lhe passou isso pela cabeça? O que é que quer ? Ás vezes não lhe dá vontade de dizer umas coisas em voz alta? O homem falou alto e porventura se o Mário lá estivesse até podia pegar-lhe pelos colarinhos e dizer : Você veja lá tou(sic) farto de si , e até poderia dizer PORRA em vez de um " fuck", bem mais civilizado e daqueles que nós vimos nos filmes americanos. Mário , o Sócrates estava-se a passar consigo, deixe o homem passar-se consigo à vontade. Não ande a tirar fotocópias só porque o Sócrates disse que você é um problema. Já viu que eu nunca o ouvi ou li dizer nada de especial quando, por exemplo, Bush dizia aquelas pérolas americanizadas? Olhe, o seu o livro tem uma capa bonita. Gostei. Gostava mais ainda se o Mário, num ataque de fúria porque o Sócrates não o grama, fizesse reverter o produto da venda do seu livro para uma instituição que defenda a liberdade. Olhe, Mário entregue 70% do produto da venda do seu livro à Aministia Internacional e eu compro-o. Mário, já agora se quiser eu posso meter uma cunha a um ou outro director de um jornal regional ( não leve como insultuoso mas é só o limite da minha influência de boa vontade) e o Mário pode recomeçar a escrever.

 

Força aí Mário e deixe-me dizer que entre isso que se passou consigo e o enxuvalho de eu ter de pagar a divida do meu condomínio em Tribunal, ainda por cima no tribunal onde eu vou como advogado patrocinar judicialmente a cobrança .. do condomínio de outros, eu não gostaria que estivesse no meu lugar.

 

Aquelas duas páginas no Correio da Manhã sobre a blogosfera propagandistica do governo são interessantes pela falta de qualidade das fotos. I love this blog!

 

Mãos cheias de nada e o desemprego a subir.

 
 
 
Partilhar

 

 

 

publicado por José Manuel Azevedo Assis às 19:53

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (1)

"Faça o que fizer. Inspire, por favor"

Fugi por uma noite para plantar uma crónica na Nicotina Magazine, onde partilho o campo com gente grande!

 
Partilhar

 

 

 

publicado por Cláudia Köver às 18:40

link do post | entrar no jogo

Alguém quer tirar brilho a Manuel Alegre. Logo, atira-se Fernando Nobre. A escolha é, claro, boa...

 
Partilhar

 

 

 

publicado por Cláudia Köver às 18:26

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (1)

Fernando Nobre vai se candidatar à Presidência da República?

Very interesting:)

 
Mais aqui.
 
Partilhar

 

 

 

publicado por Cláudia Köver às 18:18

link do post | entrar no jogo

Todos os blogues políticos menos alguns

Eu gostava de poder levar tudo isto a brincar. Não posso. Já vi tudo isto com outros nomes. Quem leu o Correio da Manhã e teve a oportunidade de ler a Regra de Jogo de há uns dias em que se faziam "revelações bombásticas" ( petardos adaptados à época que vivemos, temos de convir) sobre o mesmo assunto, percebe que estamos a falar de uma e a mesma coisa. Não tenho nada contra isso. Embora não perceba a reserva do Correio da Manhã em dar nomes aos bois, como se costuma dizer, já que o autor das denúncias, honra lhe seja feita, nunca escondeu a cara de ninguém e tem as mesmíssimas acusações expressas no seu blogue pessoal . Não posso relevar a questão política subjacente, o ataque ao polvo, já que não havendo, como já disse aqui e e no in-blog, matéria de relevo político, tornar ao assunto só faria com que o tema passasse novamente pelas brasas e assim, de permeio, se servissem mais uns tantos incautos fregueses desta casa. É um procedimento muito usado.  É melhor deixar as coisas assim, os jornais a venderem-se. Assim como assim, a mentira, o disparate propaga-se na mesma, logo à noite os jornais televisivos  vão trabalhar a notícia, quem quiser que se proteja a seu modo, os que querem ser convencidos realimentar-se-ão nas suas doses diárias de manipulação, provavelmente alguns acharão demasiado o desconcerto e começarão a olhar para o lado de lá da cortina, eu quero apenas deixar aqui a minha solidariedade aos antigos autores deste blogue que se vêm, involuntariamente,  associados a uma situação que é, no mínimo, ridícula. Dias tristes para a blogosfera.

 
Partilhar

 

 

 

publicado por Joaquim Paulo Nogueira às 17:53

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (17)

A Bélgica contesta a nomeação de Vítor Constâncio a partir de uma agenda para levar a Alemanha e o seu falcão Weber à Presidência do BCE. What else is new? Com Constâncio dentro ou fora, toda a dinâmica de concessão dos novos lugares da troika do Tratado de Lisboa, da distribuição de pastas pelos comissários, etc., serviu o mesmo propósito: o low profile das pastas germânicas visava este mesmo objectivo - o controlo do BCE. Compreendendo a ideia aqui defendida pelo Bruno, também eu me insurjo contra excessos de patriotismo a propósito disto. A economia portuguesa padece de problemas graves, não apenas motivados pela crise e em que a acção política não teve, quando tinha as condições para isso, capacidade de reformar: no sentido da flexibilidade que impedisse a histerése do desemprego.

tags: bce, bélgica, crise, economia, portugal, uem von rompuy, vítor constâncio

Partilhar

 

 

 

publicado por Carlos Santos às 11:52

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (2)

Após Vitor Constâncio ter sido nomeado Vice-Presidente do BCE, a mais que provável nomeação de João Vale de Almeida para Embaixador da UE em Washington pode não ser propriamente uma boa notícia para Portugal à primeira vista - uma vez que daí não advirá nada de particulamente útil especificamente para o nosso país - mas é mais um reflexo da boa diplomacia portuguesa. Mais ainda: é mais um reflexo de que a diplomacia portuguesa está no bom caminho - aliás, no único caminho.

A participação plena nas actividades e nas políticas europeias, o esforço por acompanhar ab initio cooperações estruturadas como o euro ou o Espaço Schengen, e o brio em desempenhar bem as funções que nos cabem nas dinâmicas comunitárias (sobretudo presidências rotativas mas também muitos cargos em Bruxelas) são o único caminho para o nosso país manter a sua capacidade de influência, de, até certo ponto, moldar decisões no sentido dos seus interesses e do seu pensamento e objectivos estratégicos. É por isso que Portugal participa em tantas missões internacionais, tanto da NATO como da UE. É por isso que tenta estar em cargos importantes em Bruxelas. É que, hoje em dia, essa é a medida do poder de um país como o nosso.

Não julgo que se trate de nos pormos em bicos-de-pés ou de sobrevalorizar determinados cargos. É verdade que o facto de serem desempenhados por portugueses não traz benefícios directos e imediatos no dia-a-dia dos portugueses. Mas se o nosso espectro de análise for além do espaço nacional, se olharmos para Portugal de fora para dentro (o que, por vezes, é extremamente útil), então devemos assumir os sucessos da nossa diplomacia como importantes sucessos nacionais. E este é um deles.

 
Partilhar

 

 

 

publicado por Bruno Oliveira Martins às 10:51

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (1)

Video: Lady Gaga vence nos Brit Awards; Oasis' Morning Glory considerado melhor album dos últimos 30 anos

A norte americana Lady Gaga foi a grande vencedora dos Brit Awards desta noite, arrebatando os prémios de artista feminina internacional, revelação internacional do ano, e album do ano. Na gala, a cantora homenageou o estilista Alexander MacQueen que se suicidou a semana passada.

A noite foi também de glória para os Oasis que ganharam o prémio de melhor album dos últimos 30 anos: Morning Glory. A performance de Lady Gaga na Cerimónia e um vídeo de Morning Glory ficam abaixo como homenagem.

Partilhar

 

 

 

publicado por Carlos Santos às 05:45

link do post | entrar no jogo

Não me cabe a mim, por razões de ética pessoal, comentar este texto de Eduardo Dâmaso. A não ser, obviamente, e em coerência, manifestar a repulsa que me causa o que descreve, e o incómodo que tenho por ter assistido a muito daquilo de que fala sem ver o que se passava diante de mim. Mas não era disso que queria falar. Na minha galeria de cromos pessoal, onde vou com carinho guardando as desilusões políticas, há uma posição que me surpreende. A de Manuel Alegre, homem que aprendi a admirar, acima de tudo, pela frontalidade e verticalidade de posições. Não hesitou em denunciar o marasmo guterrista, nem a desafiar, bem ou mal, na Assembleia da República, a maioria absoluta que integrava.

Enquanto único candidato presidencial assumido, Alegre tinha a ganhar com alguma intervenção pontual sobre os episódios que têm agitado o país. Enquanto Cavaco capitalizou na concertação orçamental (ainda que daí tenha um resultado um Orçamento lastimável), introduziu algum senso na histeria em torno das finanças regionais, elogiou Teixeira dos Santos e tentou acalmar a especulação com a dívida, Alegre manteve-se escrupulosamente silencioso. Silêncio que se tornou mais ensurdecedor quando veio na altura dos valores que lhe são mais queridos: a liberdade de expressão e de imprensa. Não tinha obviamente, dependendo do seu critério, que alinhar no coro vociferante dos movimentos extra parlamentares. Mas tinha, em todo o caso, que ponderar, algum tipo de declaração, mais não fosse para lembrar que liberdade de expressão e liberdade de imprensa são coisas distintas, como ainda ontem referiu José Manuel Fernandes, admitindo, ele próprio, que a primeira nunca esteve em jogo. Ouvir isto a José Manuel Fernandes, enquanto nada ouço a Alegre desde o início das cerimónias do centenário da República, é pouco natural.

Quanta custa um apoio? )

tags: central de comunicação, josé sócrates, liberdade de expressão, liberdade de imprensa, manuel alegre, política, ps

Partilhar

 

 

 

publicado por Carlos Santos às 04:51

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (13)

Da carcaça ôca de Pedro Passos Coelho

 

Alberto João Jardim e Pedro Passos Coelho estão em guerra aberta. É certo que AJJ representa o que de pior existe na política portuguesa: tiques de ditadorzeco dos tempos da União Nacional, pesporrento barafusteiro, o "benfeitor" populista e nepótico idolaterado no empório carnavalesco madeirense.

 

Mas será, Pedro Passos Coelho melhor? "Inimigo" do meu "inimigo" é meu ou nosso amigo? Longe disso. PPC assemelha-se a AJJ, a carcaça é apenas diferente. AJJ acerta quando sugere ao partido discutir primeiro as "coisas importantes". As "coisas importantes" são as ideias, o posicionamento ideológico actual de PPC. O que defende PPC em termos de comércio externo? Que rumo para a educação e concretamente, para o Ensino Superior? Maior liberalização na definição dos planos de estudos? Maior aposta no Ensino Superior Público em regime nocturno? E defende um novo modelo para a saúde? Mais contractualizações com privados para tornar o sistema de saúde mais eficiente? E em que termos? Qual a visão para a Segurança Social? Terá a coragem política e o desapego social propondo acabar com o RSI? A carga fiscal desce-a abertamente ou só determinados impostos e que impostos? Qual a sua visão para a segurança interna? Mais policias na rua? Reformulação das instalações policiais? Europa. Federalismo ou mantém a visão tímida da direita nesta matéria?

 

Em 2008 ainda se ouviam resticios de um rumo para o país, bom ou mau, era o rumo de PPC, hoje nada se ouve, nada se diz, nada se discute... apenas beijinhos, abraços e palmadinhas nas costas...

 

Triste sina a do PSD e a nossa...

 

tags: pedro passos coelho, psd

Partilhar

 

 

 

publicado por Cláudio Carvalho às 01:37

link do post | entrar no jogo

José Gil, entrevistado por Mário Crespo

 

José Gil foi um dos entrevistados de Mário Crespo no Jornal da SIC, ontem. É sempre um momento raro quando um filósofo vai aos novos ágora e ainda por cima para debater um assunto que queima os dedos das mãos da nossa actualidade política: a da liberdade de expressão e o papel de José Sócrates. 

 

José Gil deixou duas ideias base, que já tinha aliás expresso na TSF: a primeira, a de que há uma opacidade transversal a todo o sistema e que essa opacidade se caracteriza pelo não-dito, sendo que o não-dito é também o não inscrito.  O tema da não-inscrição, nas suas diferentes vertentes, lembro-me do seu trabalho sobre o corpo, a inscrição discursiva do corpo, lembro-me da reflexão sobre o medo de existir, é um dos contributos mais relevantes e originais deste filósofo português.  

 
 

tags: interdito, política, sociedade da comunicação, verdade

Partilhar

 

 

 

publicado por Joaquim Paulo Nogueira às 00:20

link do post | entrar no jogo | as razões de cada um (1)

3 Questões sobre a Crise e a Liberdade de Expressão

 

Há momentos em que parece que a loucura nos invadiu, que a loucura tomou conta de Portugal, que não há saída, esquecendo como em momentos de crise fomos capazes de nos superar, de inventar um país. Nestas alturas pergunto-me onde está o país que já foi pioneiro da globalização, onde estão os políticos e os almirantes capazes de vencer as novas batalhas de Diu.

 

Quando em 2008 preparava a programação do Teatro Nacional para o próximo triénio, um dos eixos estratégicos para a programação tinha a ver com a necessidade do teatro responder a um tempo onde há um espaço cada vez maior para as acusações e calúnias fáceis, o fanatismo, a caça às bruxas, de que há uns anos o macartismo de triste memória foi uma referência. Nessa altura pareceu-me importante programar peças como “As Bruxas de Salém” de Arthur Miller, “12 Homens em Fúria” de Reginaldo Rose ou “O Inimigo do Povo” de Ibsen, assumindo a criação artística como um dos espaços sociais privilegiados para revelar e desvendar os sinais e os perigos do nosso tempo.

 

Hoje olho para os dias e vejo dois jornalistas aparecerem como paladinos da liberdade de expressão, dois jornalistas como o Mário Crespo e a Manuela Moura Guedes que no seu quotidiano não têm mostrado que pratiquem uma informação plural, contraditória, aberta. Com a Manuela Moura Guedes era impressionante ver como abafava a opinião e as ideias dos seus entrevistados, com Mário Crespo entramos no plano inclinado e obsessivo da informação. Na minha opinião não é por aqui que vamos libertar a informação, nem é por aqui que podemos ir buscar as referências duma sociedade que acima de tudo defenda a liberdade e a diversidade dos pontos de vista capazes de gerarem o novo.

 

tags: cultura, futuro, liberdade de expressão

Partilhar

 

 


Eu gosto deste blog, mas talvez falte um pouco de cor ... no?
cura emorroidi a 18 de Março de 2010 às 15:03

mais sobre mim
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28


arquivos
2010

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO